Mercado crescente: torrefadores de cafés especiais ganham espaço no Brasil | ASN Nacional

Os torrefadores de cafés especiais são um segmento ascendente na cadeia de produção brasileira. Apesar de 27% desse universo já atuarem há mais de 10 anos no mercado, quase igual proporção (26,1%) está apenas começando, somando de um a três anos de atividade. É o que a aponta a segunda edição da “Pesquisa Cafés Especiais – Perfil e Sabor”, produzida pelo Sebrae nos primeiros meses deste ano.

O levantamento ouviu 211 torrefadores de 13 estados brasileiros. Segundo o universo da pesquisa, esse grupo é formado, em sua maioria, por homens (mais de 71%), brancos (73,5%), com idade entre 36 e 45 anos (35,5%) e com ensino superior completo (39%). Para esse universo de profissionais, os canais digitais têm ganhado cada vez mais espaço no dia a dia, com destaque para o Instagram (30,3%), Whatsapp (22,5%) e site próprio (22,4%).

Nesse contexto, o Sebrae pode orientar esses profissionais a investir em gestão e capacitação sobre tecnologia, melhorando sua presença nas redes sociais e o relacionamento com clientes.

Bruno Quick, diretor técnico do Sebrae

Segundo ele, esse mercado tem crescido significativamente no país com produtos com cada vez mais valor agregado. “É o caso dos cafés com Indicação de Origem reconhecida pelo Instituto Nacional de Propriedade Industrial”, destaca.

De acordo com o estudo, os torrefadores brasileiros estão concentrados principalmente em São Paulo e Minas Gerais, mas também estão marcando forte presença on-line e mais de 53% deles comercializam seus produtos para todo o país. Seus principais canais de vendas incluem sites e cafeterias próprios, além de marketplaces, o que sinaliza uma diversificação nas estratégias de comercialização.

Além do mercado nacional, percebemos que existe um interesse dos torrefadores em expandir para o segmento de cafés agroecológicos, sugerindo uma tendência para produtos mais sustentáveis. Além disso, a maioria prefere vender drip coffee em vez de cápsulas, desenhando uma disposição do mercado nesse sentido.

Carmem Sousa, analista de Competitividade do Sebrae

Com relação ao modo de torrefação, a maior parte (23,2%) desses profissionais declara torrar até 60 kg de café (uma saca) por mês – o que indica a presença de torrefações com estruturas menores –, 63% deles avaliam a própria torrefação e a maioria (54,5%) comercializa o produto em grãos. Outro dado interessante é que grande parte (90%) dos torrefadores adquire o café diretamente do produtor rural, com base em critérios como confiança e parceria e perfil sensorial. “Há potencial para fortalecer as conexões entre torrefadores e produtores, aumentando a qualidade e sustentabilidade na cadeia produtiva do café”, argumenta Carmem.

Prefeitura de Gurupi

  • Related Posts

    Summit Bio é aberto em Santarém debatendo sustentabilidade na região amazônica | ASN Nacional

    Foi aberto nesta quinta-feira (13), no Centro e Convenções Sebastião Tapajós, em Santarém, região oeste do Pará,o Summit Bio, evento realizado pelo Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas…

    Vendas avançam 0,9% em abril no comércio e pequenos negócios aproveitam momento de alta | ASN Nacional

    O comércio está em alta em 2024. É o que aponta a Pesquisa Mensal de Comércio (PMC), divulgada nesta quinta-feira (13) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Em…

    Deixe um comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

    Economia

    Harnessing the Power of Wind Energy

    Harnessing the Power of Wind Energy

    The Golden Gate’s Timeless Majesty

    The Golden Gate’s Timeless Majesty

    Ultimate Sports Ground Experience

    Ultimate Sports Ground Experience

    Future of Work Like Remote Collaboration Tools

    Future of Work Like Remote Collaboration Tools

    Navigating the Landscape of Cryptocurrency Trends

    Navigating the Landscape of Cryptocurrency Trends

    Plant Based Alternatives Reshaping Food

    Plant Based Alternatives Reshaping Food